FRAUDE COM CARTÃO CLONADO: Delegada desmente versão de influencer digital e afirma que ela é autora do crime

1752

A delegada Camila Lourenço, da 14ª DP, no Leblon, contou ainda que Ingrid Caroline Borges Gonçalves, de 20 anos, influencer digital em Dracena, tinha tentado se hospedar na Barra da Tijuca momentos antes, e admitiu para a polícia que usava os serviços do “cartãozeiro” já há um tempo.

A justificativa de que Ingrid era vítima foi dada nesta terça-feira, 25 de janeiro, pelo advogado dela, Lucas Bressanin, para o fato de sua cliente ter sido presa por estelionato.

Para a delegada Camila Lourenço, da 14ª DP, no Leblon, que conduziu o caso, tudo não passa de formulação de tese defensiva da influencer.

“Ela tem direito de articular a defesa dela, mas a realidade é que ela foi presa em flagrante como autora e conhecedora da fraude. Ela, inclusive, admitiu que usava os serviços desse ‘cartãozeiro’ já há um tempo. Que tinha feito outras viagens do mesmo jeito. Aqui no Rio mesmo, antes de tentar se hospedar no Leblon, ela havia tentado se hospedar na Barra da Tijuca, mas não conseguiu. E mesmo no Leblon, quando viu que não ia conseguir, tentou ir embora. Foi abordada pelos policiais tentando pegar um carro de aplicativo”, disse a delegada à imprensa.

Fiança de um salário

A delegada salientou ainda que Ingrid não tinha o cartão físico para apresentar quando questionada e que admitiu ter feito outras viagens com o mesmo expediente fraudulento.

“Ela colaborou, sim, com as autoridades, mas eu, como a autoridade policial que presidiu o inquérito, entendi que ela tinha conhecimento e se beneficiada da fraude. Havia um dolo direto. Ela vai articular a defesa, dela claro, mas vai responder pelo crime de estelionato e não foi liberada, não. Só saiu sob fiança estipulada em um salário mínimo”, finalizou a delegada.

:::.............. COMENTÁRIOS ..............:::