Janaina Peroto: Como está o mercado de trabalho?

166

Chegamos ao 2º semestre de 2024 e é hora de pensar no que você fez até aqui, e como espera chegar ao fim do ano no que diz respeito a sua carreira.

No artigo de hoje trago uma pergunta que escuto toda vez que converso com pessoas que precisam contratar para crescer seus times:

“Como está o mercado de trabalho?”

E a pergunta não para por aí porque ela já vem com uma segunda provocação.

“Você consegue encontrar a pessoa certa (qualificada) que precisa para o seu time?”

Apoio:


E aí uma problemática se apresenta: “Estou tendo muita dificuldade para contratar”.

Pois bem, eis que chegamos no ponto chave da minha motivação em escrever esse artigo para você, caro leitor.

Se você digitar hoje no google a pergunta com a quantidade de pessoas desempregadas no Brasil encontrará a resposta de 8,6 milhões de brasileiros.

Sim, 8,6 milhões de brasileiros encontram-se desempregados em 2024.

E não precisamos olhar a nível nacional, podemos simplesmente olhar para a região do Oeste Paulista e ver a quantidade de vagas abertas versus pessoas desempregadas na região.

Mas Janaína, porque temos tantas vagas, pessoas desempregadas e mesmo assim existe a dificuldade para preencher as oportunidades de emprego?

E eu te respondo exatamente o que reforcei na última entrevista que dei à imprensa sobre o mercado de trabalho no oeste paulista:

Nosso problema está nas pessoas

Temos poucas pessoas realmente preparadas para ocupar esses lugares, mas, a boa notícia é que podemos reverter a situação e o primeiro passo é entender como se preparar para essas vagas abertas. Te explico mais: O problema não é sobre conhecimento técnico, mas sim sobre o seu comportamento e isso pode mudar o jogo.

A minha dica como especialista e como uma profissional que já realizou mais de 1000 entrevistas nos últimos 5 anos é o estudo e conhecimento prévio sobre a vaga e empresa.

Eu juro que é simples e só depende de um pouco de disciplina. Se você está em busca de um emprego, você precisa se preparar, ter atitude, comprometimento e um momento de estudo para conhecer a vaga, responsabilidades, empresa e o que ela faz.

Isso é o que chamo de básico bem feito.

Adoro comparações e analogias e pra ficar mais fácil vou trazer um exemplo aqui:

Imagina que você entrou num aplicativo de relacionamento com o objetivo de conhecer uma nova pessoa e quem sabe namorar. Agora pensa na relação profissional: você procurou uma vaga de trabalho e se inscreveu para essa vaga com o objetivo de conquistar um emprego.

Volte para o aplicativo: você começou a conversar com a pessoa e marcou para conhecê-la pessoalmente. Você concorda que não irá no “escuro”?

Antes do encontro você fará o básico: saberá o nome, idade, algumas características, marcará o dia, local, escolherá a sua roupa, etc. Em resumo: você se preparará para esse momento, afinal acredito que você deseja encantar e surpreender!

Na relação profissional não é diferente: É a primeira oportunidade para você ser visto e percebido como um bom profissional, logo, não pode ir no escuro também. Você precisa conhecer sobre a empresa, sobre os produtos, sobre as responsabilidades da vaga, ou seja, é fazer o tal do básico bem feito.

Assim como você quer surpreender num primeiro encontro para que uma nova relação comece, você também deve ter essa postura de querer surpreender para conquistar a sua vaga no mercado profissional.

Então essa é a minha dica infalível pra você: Com o mínimo de disciplina e estudo sobre o seu próximo encontro, as suas chances de sucesso serão muito maiores comparadas a quem não teve a oportunidade de ler essa dica que você acabou de receber.

Espero que o comparativo do amor com o negócio tenha feito sentido pra você e te desejo sucesso no seu futuro relacionamento: seja ele pessoal ou profissional.

E conta comigo para mais informações sobre gestão de pessoas e mercado de trabalho, também em minha rede @janaina.peroto.

 

* Janaina Peroto – Head de Pessoas e Cultura da Foregon e responsável pelo artigo – mais de 15 anos de experiência na área de recursos humanos com passagens por grandes corporações.

COMENTÁRIOS