SOJA: Ferrugem-asiática ataca plantações no sul de Mato Grosso

32

Já é sabido que a Ferrugem-asiática tem um grande potencial de dano na produção da soja. Mas, a cada ano, sua incidência vinha ocorrendo apenas em sojas plantadas tardiamente e sendo pouco preocupante.

A Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT), acaba de confirmar por meio do seu Laboratório de Fitopatologia, mais focos da doença em lavoura comercial, safra 2022/2023, desta vez no Sul do Estado, em Itiquira. Os dados já foram inseridos no site do Consórcio Anti-ferrugem. Outros casos já foram detectados antes em Mato Grosso, em dezembro do ano passado, na cidade de Campo Verde, identificado pelo Grupo Bom Futuro e confirmado pela Fundação MT, mas o que chamou a atenção da instituição e de seus pesquisadores é a severidade observada desta vez em áreas plantadas no início da janela de semeadura.

“Outro detalhe muito importante é que encontramos foco da doença em soja plantada na primeira quinzena de outubro. Nessa região temos ainda soja semeada na segunda quinzena de outubro e novembro. Ou seja, soja um mês mais nova do que a lavoura que confirmamos a Ferrugem”, explica Mônica Müller, doutora e pesquisadora de Fitopatologia e Biológicos da Fundação MT. A preocupação, segundo ela, é que essa soja plantada mais tardiamente vai receber uma pressão da doença muito maior. “Historicamente encontramos focos nesse município, mas em semeaduras mais tardias, ou seja, da segunda quinzena de outubro e primeira de novembro”, completa.

Apoio:


A alta ocorrência de chuvas é o principal motivo que levou a soja mais nova a já estar infectada, já que este cenário é extremamente propício à doença. “Viemos de um período anterior mais seco, em que o produtor controlava melhor a sanidade da lavoura, e logo depois passamos para grande volume de precipitações”, diz a pesquisadora.

Outro problema trazido pelo excesso de chuvas é a eficácia dos fungicidas para o controle da Ferrugem-asiática, que com a água em grande quantidade pode ser mais facilmente “lavado” e não alcançar o objetivo. “Com período chuvoso é mais difícil até para o produtor entrar na lavoura com maquinário, encontrando um recesso das chuvas, com tempo mais seco, sem vento, para fazer a aplicação correta do produto”, salienta a pesquisadora.

Orientações importantes

Encontrei Ferrugem-asiática na lavoura, e agora? A primeira orientação é para que o agricultor não deixe de fazer nenhuma aplicação de fungicida, mantenha todas as aplicações programadas, e se necessário adicione uma aplicação, fazendo assim uma cobertura até o final do ciclo da soja.

Outro ponto importante é o cuidado com a fitotoxidez. É preciso cautela com as misturas que serão feitas, já que a soja está em um momento mais sensível. “Vale ressaltar que não recomendamos começar agora aplicações sequenciais com uma carga grande de produto em intervalos pequenos, de três, cinco ou sete dias. O fungicida vai funcionar preventivamente, na maior parte dos casos, então a aplicação é feita para evitar novas infecções da doença e intervalos de aplicação muito curtos podem gerar uma sobrecarga de produto na planta”, aponta a fitopatologista.

Colheita pode piorar a situação

As chuvas continuam no Sul de Mato Grosso e Mônica lembra que a doença consegue fazer um novo ciclo em sete dias, e assim liberar novos esporos e além disso, coincidindo com o período de início de colheita na região. “Parte dos produtores deve intensificar a colheita nos próximos dias, no final do mês, e com isso a doença vai se disseminar muito mais facilmente. A Ferrugem presente nessas lavouras, com o vento, vai acabar se deslocando para áreas próximas, aumentando os inóculos em áreas que foram semeadas no final de outubro e novembro. Então agora é hora de ter cautela e ficar ainda mais em alerta”, reforça.

A Fundação MT através da equipe de Fitopatologia e Biológicos, composta por Mônica Müller, Karla Kudlawiec e João Paulo Ascari, acompanham de perto o cenário e trazem notícias atualizadas nos eventos da Fundação MT e rede sociais, entre em contato.

Fonte: Fundação MT

COMENTÁRIOS