Casos de Violência Doméstica aumentaram durante o isolamento social

Apenas neste final de semana, dois casos repercutiram na região

152
Banco de Imagens: Unsplash

 

Os crimes de violência doméstica vêm se tornando constantes durante este período de isolamento social.

De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) houve um aumento de 1,9%, apenas nos primeiros meses da Pandemia durante 2020 e os número crescem a cada dia.

Na região de Presidente Prudente, a realidade não é diferente, pois só neste final de semana, dois casos de violência doméstica repercutiram nas redes sociais, após a divulgação da Polícia Civil e Delegacia da Mulher.

O primeiro caso, registrado em Junqueirópolis terminou na prisão em flagrante de um homem de 42 anos. Ele foi acusado pela esposa de 47 anos de agressão física.

A vítima relatou durante a acusação, que foi acordada com socos na cabeça, que também foi pressionada vária vezes contra a parede. A mulher, que apresentava sangramento na nuca e ferimentos por todo o corpo foi encaminhada para atendimento médico.

Já o agressor foi preso em flagrante, inclusive, ameaçou a vitima de morte ao ser levado pela Polícia.

O segundo caso que ocorreu na região foi registrado nesta manhã, 08 de fevereiro. Um homem de 34 anos teve prisão preventiva, após ser acusado de violência doméstica na cidade de Dracena.

O acusado já possui antecedentes criminais por tentativa de homicídio e tráfico, inclusive, havia saído do sistema penal em julho de 2020, beneficiado pela condição de albergue domiciliar. Este caso estava sob inquérito policial, visto que o homem também foi acusado de ameaça e descumprimento de medida protetiva.

Suporte às vítimas

Os casos de violência doméstica podem ser denunciados em diferentes canais, como Delegacias de Polícia, Disque-denúncia 180, Promotorias, Delegacia da Mulher e Defensoria Pública.

Além disso, para dar suporte a essas vítimas, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) criou a Ouvidoria das Mulheres, um canal de atendimento à distância.

A Ouvidoria Nacional pode ser acionada por telefone (61 3366-9229), que também funciona como Whatsapp; formulário eletrônico disponível no portal do CNMP e pelo canal oficial do Conselho no Facebook, via mensagens inbox.

:::.............. COMENTÁRIOS ..............:::