COVID-19: Voluntários ficam presos em ilha remota e vivem como náufragos

149

Cinco voluntários estão presos em uma ilha remota em Mianmar desde março e não têm como saírem devido ao bloqueio internacional causado pelo COVID-19.

O grupo, composto por duas mulheres e três homens da Inglaterra, Hungria, Canadá, Malásia e França, é voluntário do grupo ambiental Ocean Quest Global.

A britânica Natalie Poole, 35, chegou à ilha de Kyun Pila em 19 de março, esperando ficar apenas um mês. Ela e os outros voluntários trabalhavam para proteger um recife de coral nas proximidades da ilha. O grupo agora está preso sem moradia ou comodidades enquanto espera por resgate.

Natalie disse ao Jornal Mirror que o grupo deveria ser transportado para fora da ilha em 5 de maio, mas o barco foi cancelado quando a Tailândia estendeu a quarentena.

“O mais difícil para mim foi não saber quanto tempo vamos ficar aqui”, disse Natalie. “É uma espécie de subida e descida, somos um grupo muito pequeno de pessoas e vivemos em uma situação muito confinada e próxima. No fundo de nossas mentes, obviamente, há famílias em casa e outras coisas, o que aumenta a tensão um pouco. Estamos apenas tentando levar as coisas dia a dia.”

A equipe construiu um acampamento com lixo e plástico encontrado na praia e vivem em cabanas construídas com bambu, sacos de arroz e garrafas. Para sobreviver, cavaram um poço, criaram uma fogueira e buscam a maior parte de seus alimentos, incluindo inhame, jaca e outra vegetação para complementar a entrega esporádica de alimentos.

“Temos que estar muito conscientes do quanto consumimos, estamos comendo alimentos muito básicos e realmente tendo que fazê-lo durar”, disse Natalie, observando que houve dias em que o grupo passou fome.

O vilarejo humano mais próximo é um resort na ilha de Kyun Pila, Awei Pila, a 15 minutos de barco.

A britânica passa a maior parte de seus dias vasculhando as praias da ilha em busca de lixo e espera um resgate antes que a estação das chuvas chegue.

“Aprendi que, por mais zen e fria que eu pensasse ser, em momentos de solidão e momentos difíceis de cansaço físico e mental, ainda perco o controle e deixo de ser consciente e calmo”, disse Natalie ao jornal. “Que, por mais amistoso e alegre que eu seja, quando estou isolada em uma ilha relativamente pequena com estranhos, fico mal-humorado e pouco motivado”.

:::.............. COMENTÁRIOS ..............:::